Minicursos

por profhistoria publicado 28/06/2019 13h57, última modificação 28/06/2019 13h57

topo ENCONTRO DE HISTÓRIA.png

 

Minicurso 01:

ANÁLISE DAS NARRATIVAS DA COLONIZAÇÃO DA REGIÃO DE CAMPO MOURÃO (1900 A 1950)

 Astor Weber, Unespar/Campo Mourão, astorweb@hotmail.com

Jorge Pagliarini Júnior, Unespar/Campo Mourão, palhajr@yahoo.com.br

Descrição: O objetivo é analisar as diferentes interpretações que tratam das narrativas sobre a colonização da região de Campo Mourão (1900-1950) tendo como referência os conceitos de Estado, de tempo e de lugar social e cultural. A atividade compara a literatura acadêmica com a historiografia local e apresenta a relação entre a ação do Estado e os sujeitos na colonização da região. Também analisa os diferentes suportes discursivos que tratam desse processo. O minicurso contribui com o estudo da história local/regional baseado no manuseio de fontes históricas e bibliográficas e na discussão conceitual. Quantidade máxima de participantes: 20.

Palavras-chave: Narrativas da Colonização. Temporalidades. Suportes discursivos.

Referências

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. 7 ed. Campinas/SP: Papirus, 2011.

CHARTIER, Roger. “Escutar os mortos com os olhos”.  v. 24 n. 69 Revista Estudos Avançados.  São Paulo: USP, 2010.

FRISCH, Michel. A história pública não é uma via de mão única, ou, De Shared Authority à cozinha digital, e vice-versa. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.) História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e voz, 2016. p. 57-71.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. 1 ed., 2 reimp.

NOIRET, Serge. A História Pública Digital. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.11, n.1, p. 28-51, maio 2015.

PAGLIARINI JUNIOR, Jorge. História de municípios narradas nos seus sites oficiais: a História Pública e seu potencial par a pesquisa histórica. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 247 ‐ 266. jan./abr. 2017. p. 247-266.

SANTOS, José Carlos dos. Construir fronteiras: nacionalismo e territorialismo nos séculos XIX e XX. Campo Mourão: Editora da FECILCAM, 2014.

 

 ******************

 

Minicurso 02:

CAMINHANDO PELA CIDADE: O PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO MUNICIPAL COMO ESPAÇO DINÂMICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA

 José Antonio Gonçalves Caetano, Unespar/Campo Mourão, josecaetano@escola.pr,gov.br

Descrição: Quando caminhamos todos os dias pela cidade, distraídos a caminho de um compromisso, afoitos atrasados para o trabalho, ou passeando por lugares por onde constantemente transitamos, não enxergamos efetivamente tudo àquilo que nos rodeia. Por quantas vezes cruzamos a mesma praça, corremos e andamos pelas mesmas ruas e não damos atenção aos prédios e pessoas que ali existem e que fazem parte, não só da paisagem, mas da vida dela. Busca-se, assim, conhecer e estudar conteúdos específicos da disciplina de História através do município e de seu patrimônio arquitetônico. Concluímos que, descobrir a cidade, é uma possibilidade de envolver o aluno nos conteúdos estudados para melhor aproveitamento das aulas. Este minicurso que tem como objetivo conhecer a História da cidade de Campo Mourão através de seu patrimônio arquitetônico e sugerir, a partir de uma caminhada pela cidade, uma proposta para o Ensino de História. Enxergamos a cidade como potencializador pedagógico e espaço contínuo de aprendizagem, em especial para o Ensino de História. Dessa forma procuramos pensar a cidade como um espaço de aprendizagem que pode superar as fileiras de carteiras e os muros da escola no processo de ensino e aprendizagem da disciplina de História. O mini curso será ministrado em dois momentos. No primeiro momento será estudado a relação entre o estudo das cidades e o Ensino de História a partir de uma experiência desenvolvida num colégio da rede estadual da cidade de Campo Mourão – PR intitulado “Professor em Terra Estranha”. No segundo momento os participantes serão convidados a participarem de uma breve caminhada pela cidade visitando alguns pontos que contam a História local. Quantidade máxima de participantes: 20.

Palavras-chave: História das Cidades. Ensino de História. Lugares de Memória

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2003

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000

FRAGA, Hilda Jaqueline. A cidade como documento no ensino de história. In: POSSAMAI,  Zita Rosane. Leituras da cidade. Porto Alegre: Evangraf, 2010, p. 221-236

NORA, Pierre.Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC-SP. N° 10, p. 12. 1993

SANTOS, Joaquim Justino Moura dos. História do lugar: um método de ensino e pesquisa para as escolas de nível médio e fundamental. História, Ciências, Saúde.  Manguinhos, Rio de Janeiro, vol. 9(1):105-124, jan.-abr. 2002.

 

******************

 

Minicurso 03:

UM DIÁLOGO SOBRE A EVOLUÇÃO HISTÓRICO-JURÍDICA DOS DIREITOS HUMANOS

 Rafael Almeida Callegari, Centro Universitário Integrado, prof.racallegari@gmail.com

 Descrição: O minicurso pretende abordar a evolução dos direitos no mundo, em especial, o processo de construção dos direitos humanos. Além da conceituação e explicação de quais são eles, se propõe a observar que o processo que culminou na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e nos demais Tratados, Protocolos e Convenções é independente das políticas de governo, das matizes ideológico-partidárias e dos movimentos internos de cada nação. Em consonância com a proposta do evento, pretende-se olhar interdisciplinar sobre o tema, aproximando História e Direito como instrumentos de pesquisa e ferramentas de conscientização da sociedade. O minicurso será desenvolvido expositivamente, com o uso de metodologia ativa , permitindo o diálogo e a construção independente do conhecimento. Serão utilizados multimídia, computador, aparelhagem de som ligada a este e microfone; em ambiente preferencialmente com bom acesso à rede mundial de computadores. Não se fixa quantidade máxima de participantes porque se pretende seja conforme o local disponível e a procura. A carga horária será de 4 horas.

Palavras-chave: Direitos Humanos. Evolução. História. Interdisciplinaridade.

Referências

COMPARATO, Fábio Konder. Fundamento dos direitos humanos. Cultura dos direitos humanos. São Paulo: LTR, p. 52-74, 1998.

GALLARDO, Hélio. Teoria Crítica: matriz e possibilidade de direitos humanos. São Paulo: Unesp, 2014.

HUNT, Lynn. A invenção dos Direitos Humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LINDGREN-ALVES, José Augusto. É preciso salvar os direitos humanos: matriz e possibilidade de direitos humanos. São Paulo: Perspectiva, 2018.

NEVES, Marcelo. A força simbólica dos direitos humanos. Revista Eletrônica de Direito do Estado, v. 4, p. 1-35, 2005.

 

 ******************

 

Minicurso 04:

UMA BREVE HISTÓRIA (PÚBLICA) DO SUICÍDIO NO OCIDENTE

Willian André, Unespar/Campo Mourão, willianandreh@hotmail.com

Lara Luiza Oliveira Amaral, Unespar/Campo Mourão, laraluizaoliveira@gmail.com

 Descrição: Vencidos os percalços iniciais relacionados à validação dos estudos sobre o suicídio ao longo do século 20, deparamo-nos ainda com uma série de questões que fazem da morte escolhida pelas próprias mãos um dos grandes problemas do nosso momento histórico atual. Para além da pequena história do autoaniquilamento composta como parte do paradigmático O deus selvagem: um estudo do suicídio, publicado por Al Alvarez em 1972, temos pelo menos outras duas importantes publicações que se prestam ao traçado de uma história do suicídio: História do suicídio: a sociedade ocidental diante da morte voluntária (1995), de Georges Minois – recentemente lançada no Brasil pela Editora Unesp –, e Congedarsi dal mondo. Il suicidio in Occidente e in Oriente (2009), de Marzio Barbagli – ainda sem tradução disponível em língua portuguesa. Assumindo tais obras como estudos de grande fôlego, de contribuição inestimável, propomos este minicurso para refletir sobre as tensões existentes na composição de uma possível história pública da morte voluntária. Sendo ambos os proponentes do minicurso oriundos da área dos estudos literários, inevitavelmente procuraremos observar em que medida a arte literária, entre outras manifestações artísticas, registram seu quinhão de contribuição para uma percepção pública da história do suicídio no ocidente. No limite, um dos propósitos do minicurso é problematizar as possibilidades de se tomar a morte voluntária como conteúdo de ensino, tanto na esfera institucional – pública e privada – quanto na percepção popular, em face dos inúmeros preconceitos e equívocos interpretativos ainda reinantes sobre o assunto. Em termos metodológicos, a atividade será conduzida no formato de aula expositiva, com o auxílio de apresentação de slides e lousa, sempre contando com a liberdade de intervenções/contribuições por parte do público participante. O minicurso é aberto tanto à comunidade acadêmica quanto a membros da sociedade em geral que tenham interesse pelo tema do suicídio, e o público total fica restrito ao número máximo de 30 (trinta) vagas, por ordem de inscrição. Para cada participante será disponibilizada uma pequena apostila preparada pelos ministrantes, em impressão colorida, com os conteúdos a serem contemplados durante o minicurso.      

Palavras-chave: Suicídio. História Pública. Artes.

Referências

ALVAREZ, Alfred. O deus selvagem: um estudo do suicídio. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ASHER, Jay. Os 13 porquês. Trad. José Augusto Lemos. 1 ed. São Paulo: Ática, 2009.

BARBAGLI, Marzio. Farwell to the World: A History of Suicide. Translated by Lucinda Byatt. 1 ed. Cambridge: Polity Press, 2017.

BENEDETTO, Antonio Di. Os suicidas. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. 1 ed. São Paulo: Globo, 2005.

EUGENIDES, Jeffrey. As virgens suicidas. Trad. Daniel Pellizzari. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

MINOIS, Georges. História do suicídio: a sociedade ocidental diante da morte voluntária. Trad. Fernando Santos. 1 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

PUENTE, Fernando Rey. Os filósofos e o suicídio. 1 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

STYRON, William. Darkness Visible: a Memoir of Madness. 1 ed. New York: Vintage, 1992.